Stakecare

Dispositivos móveis na saúde – uma realidade que salva vidas

Por Delmonte Friedrich
15 de dez, 2022 | Leitura de 1 min
Vive-se a era da Internet das Coisas (IoT), Big Data, Inteligência Artificial e Indústria 4.0. Os avanços tecnológicos já fazem parte de nossa rotina como por exemplo veículos autônomos, robôs que executam tarefas domésticas, casas inteligentes, etc. Na saúde, pode-se citar as cirurgias robóticas, softwares dotados de inteligência artificial e dispositivos médicos que auxiliam na saúde das pessoas.
A indústria eletrônica tem desempenhado importante papel na velocidade com que novos sensores estão sendo disponibilizados ao mercado para o desenvolvimento de soluções na área da saúde, como ECG, batimentos, saturação, dentre outros. Como o volume tem aumentado, o custo vem diminuindo, permitindo mais acesso a esse tipo de tecnologia. Como consequência, mais e mais engenheiros e analistas de sistemas estão utilizando esses hardwares para criar novos negócios, gerando novas possibilidades de soluções para atender aos desafios da medicina e do cuidado total ao paciente.
Essas novas tecnologias tendem a ser incorporadas ao dia a dia das pessoas, a baixo custo, gerando dados de comorbidades jamais antes visto.  Com algoritmos sofisticados e dedicados a esses novos hardwares, desenha-se uma nova realidade no tratamento de doenças e acompanhamento dos pacientes em home care. Será possível, em um futuro próximo, obter correlações entre medicamentos e comorbidades, agito no sono e comorbidades, realizar cruzamento de dados oriundos de exames e sinais vitais em tempo real.
Assim, padrões de comportamento orgânico de cada indivíduo poderão ser gerados de forma relativamente rápida e monitorados constantemente. No momento em que o algoritmo detectar algum desvio em relação ao padrão, já aciona o médico (a) que cuida do mesmo, se antevendo a um problema maior como por exemplo um AVC, infarto, derrame, ou até mesmo anomalia celular como câncer. Este é o futuro, que irá garantir assistência adequada a uma população que está envelhecendo e que o custo com a saúde tende a aumentar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Portuguese